Pages

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Papo de Bêbado Interior.

Hoje percebi como o dia mais claro do mundo pode ser o mais escuro para a criatura mais infeliz. Vi o homem da rua de baixo chorar como um menino órfão, como quem perde o chão e não sabe por onde recomeçar.

De imediato olhei para mim, busquei fragilidades, busquei falhas e vi inúmeros problemas. Mas como eles eram pequenos perto do sofrimento daquele homem. Nem sei o motivo de tantas lágrimas, mas elas eram verdadeiras demais, contagiantes. As pessoas passavam e não entendiam aquele desespero, muitos tentavam acalmá-lo, outras apressavam ainda mais o passo e outras, infelizes, riam da desgraça alheia. Esse era o cenário, e eu ali, no olho do furacão.

Tentei fugir daquela agonia, só que correr seria demasiadamente covarde, mas aquela cena matava o meu dia. Fechei a cara e caminhei firme. Olhava para trás com uma frequência incomum, na ânsaia de ver o homem melhor - sem as lágrimas, pelo menos.

Ele era idoso - bem idoso - daquele avô típico dos filmes. Era uma cena de um drama. Quando já nem o avistava direito, pois já havia me afastado bastante, percebi que o senhor já estava de pé e parecia melhor. Senti-me melhor, como um neto aliviado por ver seu avô inteiro e recuperado.

Pude recuperar meu fôlego, voltar a respirar com a tranquilidade de sempre. - Tomara que não seja nada grave - disse para mim mesmo, sem acreditar nas minhas palavras.

Preferi continuar meu caminho, pensar no que eu tinha que fazer. Reconstrui mentalmente minhas tarefas. Alguns segundos se passaram e minha criativa mente já povoava o estado daquele senhor. Sorri de mim mesmo, tentando entender esse mecanismo tão complexo do pensamento. Construi uma teoria na fila do banco, mas ela era complexa demais para ser lembrada agora, nem eu entendi direito aquele devaneio repentino.

No banco, fui atendido com certa rapidez. Voltei para casa tentando lembrar as loucuras que fui capaz de criar num espaço de tempo tão curto - e na fila de um banco! "Papo de Bêbado Interior", esse foi o nome que criei para aquela teoria. Não pude conter - mais uma vez - o riso. A senhora que estava ao meu lado me olhou com certo ar de preocupação, cumprimentei-a com a cabeça e dei razão a todo aquele espanto da velhinha dos cabelos azulados. Ela nem retribuiu.

Cheguei em casa e parei aqui, no computador. Fiquei olhando para a máquina e disparei: - Não tem jeito, você vai ter que ouvir o que passei hoje. Abri o blog e comecei o depoimento. Foi um exercício de fala interior, eu ouvindo de mim mesmo minhas experiências. O que diferencia são as inúmeras pessoas que compartilham essa louca história de um ser (dito) normal.


(Caros amigos, atendendo a pedidos, após o carnaval escreverei a última parte do Mundos Opostos, ok? Um abraço e boa folia).

11 comentários:

Pedro Junior disse...

Olá não conhecia o teu blog, mas achei muito interessante, estou sem net, mas qndo volta estarei passando sempre por aqui

http://visaocontraria.blogspot.com/

Tenha uma ótimo fds

Abraço

Pelirroja disse...

Nossa, pobre senhor. Esse tipo de cena me parte o coração. Também não saberia o que fazer em seu lugar.

Ma sé engraçado com a mente trabalha como uma engrenagem maluca e os pensamentos são rápidos e engraçados...

Parabéns pelo post!
Aproveite o carnaval!

Abraço!

Diógenes Daniel disse...

pô, coitado do velho...

Ana Lucia Nicolau disse...

é difícil sabe o que e como fazer em situações como essa...

amandaedalete disse...

Nossa cara que texto massa!
Pior que ele é real, o que o deixa mais "excitante"

Guga Fernandes disse...

Bom texto! Parabéns!

Que pena que a realidade é tão cruel...


http://gustavoofernandes.blogspot.com/

Tico disse...

nossa
mto bom o texto mais pq a realidade é tao cruel
abs

www.maniacoporfutebol.blogspot.com espero sua visita

assis horta disse...

Carlinhos, já viu o novo formato de nosso blog?

Como já havia dito, você tem o poder, que poucos têm, de fazer uma crônica do mais simples cotitiano, à Drumont.

Parabés, vá em frente.

Rogerio Martins disse...

Retribuindo a visita e comentário em meu blog.

Tem momentos na vida que somos acometidos por este tipo de atitude: paralisia. Alguns vivem assim por toda vida. Outros conseguem enxergar além do comum. Sucesso.

Rogerio Martins
http://saladeterapia.blogspot.com/
http://palestranterogeriomartins.blogspot.com/

Canto do Lufa disse...

mto sensível

possuido pela mente

Siento que me miran de cerca disse...

Auahuahuahauhauah
Como consigo ri né?Mas não é por maldade
Tadinhooo do senhor, as vezes a vida nos prega uma situação complicada, e o melhor a fazer é ter paciência...

Pessoas pelo mundo que passaram por aqui:

Total de visualizações de página

Facebook